sábado, 27 de junho de 2015

Se eu morrer...


Se eu morrer..
Digam que fiz o máximo que pude e que minha rotina permitia.
Diga a meus pais que foram os melhores desse mundo
Digam que sou doador de órgãos
Diga que quero ser cremada e jogada as cinzas em qualquer mar pois amo água e sal
Digam a meu filho que o amei mais que tudo nessa vida e com ele aprendi o significado de amor incondicional, digam para ele ser sempre ele mesmo não tentar agradar sempre os outros, e se por em primeiro lugar sempre principalmente tratando-se de sua felicidade. E que Deus e o mundo ornam a favor dele
Digam ao mundo que mais um morreu
Sim, sou apenas mais um nesse mundo querendo ou não
Sinto que tive uma vida e uma história
Apesar dela nem sempre ter sido como sonhei e ter desejado ter feito absolutamente tudo ao contrário
Se tem algo e talvez único que não me arrependo foi ter educado meu filho sozinha, o mais que pude.
Se eu morrer
Digam que não fiz nem metade do que sonhei pra mim, mas mesmo assim tive uma boa vida,
sem sofrimentos, sem dores grandes e sem muitas provações
Deus foi bom comigo
Se eu morrer saibam que minha solidão me acompanhou até o fim
Que eu nunca me senti fazendo parte de nada, nenhum grupo, nenhuma família nenhuma paixão, nada. E não que não tivesse oportunidade mas simplesmente porque não me senti movida e atraída por nada.
Sempre me senti uma estranha no ninho, seja na parte social, afetiva , tudo.
Só me encontrava com a natureza, os animais e as crianças.
O sentimento de solidão sempre esteve comigo e dele lhe trouxe meus melhores amigos. Inimigos também, infelizmente. Alguém um dia deve ter dito que o pior inimigo somos nós mesmos, pois é.
Se eu morrer não chore, nunca tive medo da morte, ao contrário, ela sempre exerceu grandioso fascínio sobre mim. Nunca temi a escuridão, pois sei bem o que vem dela e quantos posso comandar assim. A luz, nem sempre tive certeza que pertencia a ela, mas sempre tive certeza que era o melhor caminho apesar de nem sempre me sentir iluminada por ela nem merecedora o suficiente.
Não sei pra onde vou mas sei o que posso esperar dos dois lados, então não chore. Sei bem o que fazer. Aliás, pouca coisa me assusta desde que nasci. O que mais me metia medo era meus pensamentos. E eu os controlei a vida toda mesmo. Até agora.
Se eu morrer não chore, só lembre de mim o máximo que conseguir até o esquecimento ou até nos encontrarmos.
Se eu morrer...
Me diga adeus e siga em frente, simples assim. A gente que complica, mas não é tão complicado assim.


OBS> Escrito há muito tempo. Apenas publiquei para deixar registrado, afinal, se eu morrer...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.