sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Reviravolta - overturn


Me retorno em lágrimas
Suspirando sangue e gemendo solidão
Segurando a jornada firme
Emancipada por estrelas falsas
Iludida por tempestades sintuosas
Minha alma se espalha pelo chão gélido e cruel
Viajando nesse céu negro
Sentindo-se Vil e punida
O eterno me alcança
Sussura meu nome baixinho
Me acolhe e me aquece
Engrandece meu ser de bondade
Torna-me única mas suspeita
E mesmo não merecendo me concede uma nova chance
Crê em mim como sua filha adorada
Andamos de mãos unidas e coladas
Virtudes do Pai se espalham no meu Lar
Espalham alegria
Entre os jardins do espírito sentem-se o arome do Mel produzido pelas abelhas e seu doce néctar somando dos zangões que fertilizam Amor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.