quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

ser relativo e versátil; be relative and versatile


Tudo é tão relativo

Mudo minhas vontades e idéias tão ou mias depressa que as fases da lua

A maré que influencia subir ou descer o mar é tão devastosamente como meus pensamentos

Pode vir de mansinho como pode vir feito tsunami

Uma chance para escolher,

Uma só vida para viver, esta.

E talvez a última de minhas canções de ninar pudessem ver

Sonhos e desejos perdidos

O destino nos põe frente a situações tão desesperadoras!

Para se tomar uma decisão

É preciso abrir mão de outros sonhos, outros amores

Já abrí mão de mim mesma tantas vezes que já perdí a conta.

Não sei se isso foi bom ou ruim

Não posso imaginar se teria vencido ou não.

Tenho quase certeza que sim.

Mas teria deixado muito para tráz

E em busca de minha felicidade traria dor e decepção a muitas outras pessoas

Penso ter tomado a decisão certa.

Para outros em detrimento de mim mesma.

a angustia toma uma dimensão muito grande

o choro que engulo é insuficiente para não romper minha fortaleza ao meu redor.

O que Deus reserva para mim?

Me dando um amor e escolher deixar meu Eu de lado.

O que Deus deseja de mim e o que pretende com isso?

Depende só mim ou de uma força do destino?

Sou a culpada de tudo que faço

Ou as coisas acontecem porque deveriam acontecer?

Já não sei,

Tenho tantas perguntas que anseio por respostas.

Ninguém me ajuda, ninguém me ouve 

e Ninguém entende.

As opiniões só se confundem com meus sentimentos,

A racionalidade devora meu coração e se faz mais forte em certos momentos,

Hoje já não me conheço, não sei pra onde vou...

Apenas de onde vim e o que gostaria que tivesse acontecido

Ao mesmo tempo que sucede uma coisa boa, há 10 ruins que abro mão

Qual o motivo de tudo isso?

Ando tão confusa e perturbada

Tentando agradar quem amo e deixando minhas vontades de lado...

Será que decidir pela felicidade de outro pela minha me trará bons frutos futuramente?

Já não tenho tanta certeza.

Tudo que possuo é um conformismo

e se torna aquilo que mais detesto nas pessoas, a falta de motivação e luta

Que por mais que tento já não me levanto para recomeçar.

sinto-me tão fraca

Não posso deixá-los serem infelizes para realizar meus desejos individuais e talvez utópicos demais para minha vida

Tudo é incerto...

Temo pelo futuro, talvez depois seja tarde.

E de qualquer jeito temeria

Porque não sei o que esperar dele

Não sei se será como queremos

Não sei se as pessoas que amo ainda estarão aqui

E nem se eu mesma estarei aqui para ver as consequencias de uma escolha.

Apenas uma.

Mas que mudará tudo!

O que você escolheria? – casar com quem ama, mas em uma cidade que detesta!

- ficar com quem ama e abrir mão de sua profissão e realizamento financeiro em busca de um amor! correspondido sim, mas.....

- o que você faria?

- Você ama mais a si mesma ou o outro?

- Do que você abriria mão? De sua profissão ou do seu amor?

- e outra, largaria sua profissão em busca de um desejo infantil... um sonho..?

- deixaria uma vida estável em busca do desconhecido e incerto.? E pronto para decepcionar as pessoas que ama e talvez a si mesma caso não dê certo?

- Seria mãe ou não? De qualquer jeito tenho a impressão que sempre imaginarei como seria se tivesse escolhido a outra opção.

queria saber e fazer o que teria certeza fosse o certo, mas como?

de qualquer modo parece-me que estou errada tomando escolhas não boas, mas necessárias apenas.

Tudo é relativo, depende se você está do lado de dentro ou de fora.


C>A>K 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.